Semana GORGS: E PLURIBUS UNUM

. .

Com ficou claro nas publicações anteriores, a missão precípua do GORGS, como instituição, sempre foi a paz social, o entendimento, a concórdia. Mas, infelizmente, as cisões, desentendimentos e disputas são bem mais comuns do que se gostaria. E sempre que isso ocorreu, partiu do GORGS a tentativa de reunificação e integração, em nome da Maçonaria.

O RS e o Brasil foram palco de muitos conflitos, que ao fim sempre volveram a reunificação e ao progresso. Com a Maçonaria não é diferente. Foram muitas agitações como a crise de 1927 – originando as Grandes Lojas Estaduais. Mas uma destas cisões, e talvez a mais marcante, foi a crise de 1973, quando a Maçonaria nacional se dividiu, com o afastamento de 12 Grandes Orientes estaduais. Desta fragmentação algo novo surgiu.

No mesmo ano da cisão, mais precisamente em 4/8/1973, em Belo Horizonte, MG, as Potências Maçônicas dissidentes criaram o Colégio de Grão-Mestres da Maçonaria Brasileira, com participação decisiva do Grão-Mestre do GORGS Frederico Renato Mottola, que presidiu o Colégio na década de 1970. A ideia era uma base de amparo geral, reconhecimento entre as Potências, adoção de constituição e regulamento geral comum entre os Grandes Orientes associados. Era o embrião da Confederação Maçônica do Brasil – COMAB, fundada em 06/4/1991, tendo como primeiro presidente o então Grão-Mestre do GORGS Milton Barbosa da Silva. A COMAB é hoje um dos órgãos mais importantes da Maçonaria sulamericana.

Em 1998, outra situação incômoda para os Maçons gaúchos era sanada: a união das três Potências Maçônicas do Rio grande do Sul: o Grande Oriente do Rio Grande do Sul – GORGS – o Grande Oriente do Brasil/Rio Grande do Sul – GOB-RS – e a Grande Loja Maçônica do Estado do Rio Grande do Sul – GLMERGS. A Maçonaria Unida do Rio Grande do Sul – MURGS – tem como data simbólica o dia 12/12/1998, com a assinatura do denominado “Tratado de União, Recíproca Amizade, Fraternal Convivência, Estreita colaboração e Mútuo Socorro”, estimulando a intervisitação, troca de informações e aproximação entre as Lojas. O tratado mantém-se firme e inviolável até os dias de hoje e marcou a união dos esforços entre as Potências Maçônicas na solução de diversos problemas e crises, dando origem, inclusive, ao Dia da Maçonaria Gaúcha, em Lei sancionada pelo governador do RS, Ir. Germano Rigotto, em 2004.

Em 127 anos, o GORGS manteve tratados com diversas Potências Maçônicas internacionais. Em dezembro de 2007, ingressou na CMI – Confederação Maçônica Interamericana –considerado o maior bloco maçônico do mundo, com membros em toda a América, de Norte a Sul, e Europa. Hoje, integra ainda a Conferência Mundial da Maçonaria Regular e o Listo of Lodges.

O GORGS, em sua história, carrega consigo o legado de comprometimento e integração, visando sempre o interesse maior da Instituição e dos Maçons.

 

Ministério da Educação Cultura e Comunicação Social e Ministério da Guarda dos Selos.

Produção: Irmão Rodrigo Reus e Renan da Silva Moraes, com colaboração do Irmão Francisco Munhoz Silveira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *