Um Templário em Quarentena

. .

Poema e declamação de Léo Ribeiro de Souza; amadrinhamento de André Cunha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *