Palestra do vice-presidente Mourão marca os 125 anos da “Amizade”

. .

Grão-Mestre do GORGS Celito Cristofoli e Grão-Mestre da GLMERGS Norton Valadão Panizzi prestigiaram a sessão magna pública que reuniu 160 maçons em Bagé

Uma cerimônia inesquecível para os maçons bageenses. Na noite em que completou 125 anos de fundação, em 5 de agosto, a Loja “Amizade” comemorou recepcionando o vice-presidente da República General Antônio Hamilton Martins Mourão, numa demonstração da força de sua história e tradição na Maçonaria brasileira. O prestígio veio também de parte de autoridades maçônicas do estado, o Grão-Mestre do GORGS Celito Cristofoli e o Grão-Mestre Adjunto Antônio Carlos Lampert, o Grão-Mestre da GLMERGS Norton Valadão Panizzi, o 1º vice-presidente da PALM Ademir Borges do Amaral, representando o poder Legislativo do GORGS, e representantes de diversas Lojas e da sociedade civil.

Muitas horas antes de o Venerável-Mestre Gerson Godinho Moreno receber o 1º malhete das mãos do Grão-Mestre Celito Cristofoli para condução dos trabalhos, sob os olhares atentos dos mais de 160 convidados presentes ao Templo da Loja, no centro de Bagé, as movimentações dos maçons em torno da visita oficial do vice-presidente à cidade já se fazia sentir. Na câmara de vereadores, muitos irmãos estiveram presentes, materializando todo o carinho e admiração ao Irmão Mourão, que foi condecorado com o título de “Cidadão Bageense”. Foram inúmeras manifestações de apoio durante todo o dia, muitas delas de familiares de maçons. E foi nesse clima que o vice-presidente chegou ao prédio por volta das 19h, ingressando no Templo sob abóboda de aço e efusivos aplausos.

Antes de ouvirem a palestra do General Mourão, os convidados puderam conhecer um pouco da trajetória da Maçonaria em Bagé, que se confunde com a própria história da Loja “Amizade”. Na condução dos trabalhos estavam ainda os irmãos Márcio Marun Gomes (1º vig∴), Fernando Peres Gusmão (2º vig∴), Marcelo Meza da Silva (mestre de cerimônias) e José Artur Martins Maruri dos Santos (orador) que, em discurso objetivo e rico em informações históricas, falou do ambiente vivido no município e no estado na época da fundação, quando os gaúchos ainda viviam as agruras da Revolução Federalista, que teve Bagé como cenário de diversos conflitos. Citou cada um dos fundadores e dos Veneráveis-Mestres desses 125 anos ininterruptos de atividades templárias.

Destacou ainda ações da Loja e de maçons no período, como aulas noturnas para adultos, a luta contra peste bubônica em 1899, auxílio ao combate à fome em Cabo Verde em 1903, a fundação da GLMERGS, a doação em dinheiro para a construção do Palácio Maçônico do GORGS (foi a 1ª Loja a participar), a contribuição com valores expressivos para pagamento da dívida externa do Brasil no governo do Irmão Jânio Quadros, pompa fúnebre em homenagem ao Irmão Franklin Roosevelt, que rendeu uma carta de agradecimento da Casa Branca, assinada pela 1ª Dama dos Estados Unidos Eleonor Rooselvelt, e diversas campanhas contra as drogas, pela segurança pública, pela saúde, pela educação, entre outras, sempre com resultados práticos positivos para a comunidade da região. Uma verdadeira trajetória de realizações e proeminência na sociedade gaúcha.

(matéria segue após a galeria de fotos)

Fotos: Ir. Rodrigo Reus/Com. Social GORGS

Palestra do vice-presidente Mourão marca os 125 anos da Amizade
« 1 de 2 »

O convidado especial da noite, general de exército, hoje na reserva, e atual vice-presidente do Brasil Irmão Hamilton Mourão iniciou sua apresentação manifestando sua alegria e emoção com as homenagens recebidas, cumprimentando a Loja “Amizade” pelos seus 125 anos. Na pauta da conferência, ações de governança, estratégias políticas e projetos que o governo desenvolve para a retomada do desenvolvimento do país e sua liderança mundial. “Governar é preparar o futuro. Se governa para as próximas gerações e não para as próximas eleições. É essa a visão do atual governo brasileiro”, destacou.

Ao contextualizar a posição do Brasil na atual conjuntura mundial, falou da necessidade de adequação à nova realidade global, em todos os aspectos, sejam econômicos, sociais, políticos tecnológicos, ambientais, de geração de energia, enfim, fazer do país uma referência do capitalismo liberal no mundo. Analisou a realidade das grandes potências mundiais como Estados Unidos, China, Alemanha, Rússia e suas influências em todos os continentes; neste contexto, o Brasil tem uma posição estratégica: “Temos condição de colocar alimentos de qualidade na mesa de todos os países do mundo e de competir com qualquer país na indústria da agropecuária (…) aqui neste país nós cuidamos da vida na terra. Nossa matriz energética tem 88% de energia renovável: hidrelétrica, solar, eólica; o resto do mundo queima petróleo e carvão”, exemplificou.

Apresentou um diagnóstico dos principais problemas da atualidade como o narcotráfico e a narcoguerrilha, espionagem, guerra cibernética, catástrofes ambientais e climáticas. Para o vice-presidente, somente a democracia liberal pode encontrar soluções para esses problemas: “A democracia liberal venceu o nazismo, o fascismo e o comunismo. Ela sempre encontra soluções para as crises”. O Brasil já está no centro de diversas disputas e deve ser ainda mais visado pois detém grande parte das reservas de água doce do mundo, possível motivo para conflitos nos próximos 30 anos.

Sobre as questões internas, historiou os acertos e erros na política aplicada desde a constituição de 1988, afirmando que a partir de meados da década de 2000 a escolha estratégica por endividamento para fazer a economia girar, através do que chamou de “contabilidade criativa” – ou pedaladas ficais – revelou-se um erro que custou caro ao país, com reflexos danosos à sociedade brasileira, resultando em séria crise fiscal, milhões de desempregados e uma economia combalida.

Passou então a tratar dos projetos do governo Bolsonaro para o resgate de um projeto de nação, como o compromisso de restabelecer a confiança nas instituições, com a inadiável retomada do crescimento. Na questão fiscal, são prioritárias a nova previdência, a desvinculação do orçamento, a reforma tributária, a modernização do estado e a profissionalização da gestão do setor público, diminuindo os cargos e enxugando o tamanho do estado. Na agenda de produtividade, privatizações, participação da iniciativa privada nos grandes projetos de infraestrutura, negociação com as grandes cadeias globais de valor agregado e desburocratização da estrutura estatal. “Se não fizermos nada, a partir de 2022 o governo federal somente existirá para pagar salários”, enfatizou. E seguiu, sobre a reforma tributária: “Nosso sistema de tributário é um manicômio; existe a legislação federal, 27 legislações estaduais e do distrito federal e ainda de cada um dos 5.570 municípios. Cada um de nós passa por um sufoco para pagar tributos”, reforçando que até o final de 2019 é imprescindível a resolução da questão tributária.

Ao encerrar sua apresentação, resumiu o que acredita serem os pilares da civilização ocidental: o pacto de gerações, ou passagem de bastão, sempre trabalhando em prol das gerações futuras; a democracia, pois fora dela não existe solução viável; o modo capitalista de produção, ou seja, dar condições em igualdade a todos, cabendo a cada um se desenvolver conforme suas aptidões; o estado de direito, sem exacerbação, pois ele não pode ser o fim em si mesmo; e o papel da sociedade civil, exemplificando com a Maçonaria, sociedade organizada que luta pela preservação dos valores fundamentais da família e o progresso da humanidade. “Não precisamos fazer populismo, precisamos de política de estado, com as mudanças fundamentais para o Brasil do século XXI. Três questões são basilares em nosso governo: clareza para transmitir o que vamos fazer e o que precisamos que a população faça; determinação para levar isso adiante; e paciência para negociar em todos os fóruns necessários” concluiu, sendo ovacionado pelo público presente.

Na sequência, várias homenagens foram prestadas à centenária oficina, como a placa alusiva aos 125 anos entregue pelo Grão-Mestre da GLMERGS Norton Panizzi, que lembrou que o 2º Grão-Mestre de sua potência maçônica fora iniciado na Loja. Referiu ainda a relevância dos serviços prestados pela “Amizade” à ordem maçônica e à sociedade gaúcha. O Grão-Mestre do GORGS Celito Cristofoli fez um agradecimento especial ao vice-presidente Hamilton Mourão, que é obreiro da Loja “República de França”, de Porto Alegre, pelo prestígio que concedeu à sessão e, por extensão, ao GORGS, com sua visita. “O Irmão Mourão é a prova de quanto a nossa sociedade precisa da Maçonaria; de homens justos e perfeitos, como foram as derradeiras palavras de sua brilhante palestra”, exaltou o Grão-Mestre. Saudou ainda o orador pelo relato histórico que apresentou, de forma concisa, mas carregada de realizações. “Temos que estar unidos pela pátria, pela família e pelas bênçãos do Grande Arquiteto do Universo, pois assim nada poderá interromper o caminho que ensejará a derrota do mal e a vitória do bem”, finalizou, presenteando o Venerável-Mestre com placa comemorativa.

Após a sessão, todos confraternizaram em ágape realizado no salão de banquetes da Loja, onde mais uma vez o Irmão Hamilton Mourão comprovou toda sua simpatia e cordialidade, recepcionando os convidados para fotografias e cumprimentos. Estiveram presentes comitivas das Lojas “Coriolano Castro”, “Cruzeiro do Sul III”, “Independência”, “José de Arimathéa”, “Luz e Ordem”, “Monte Horeb”, “Paz e Labor”, “Recuperação”, “Saldanha Marinho” e “São João das Lavras” (GORGS); “Adonai”, “Cavaleiros da Liberdade”, “Caridade Santanense”, “Construtores do Templo”, “Estrela dos Magos”, “Gaspar Silveira Martins”, “Ponche Verde”, “Rainha da Fronteira” e “Sigilo” (GLMERGS); “Cruzeiro do Sul” e “Estrela do Sul” (GOB); e “Livres Pensadores” e “Solidariedad Universal” (Uruguai).

Fotos: Ir. Rodrigo Reus/Com. Social GORGS

4 Comments

Pedro Danilo Schuck

É com grande prazer que vejo a Maçonaria novamente forte
e unida em prol do país e dos interesses da Ordem. Parabéns aos Irmãos organizadores que elevaram a Maçonaria para o seu lugar em destaque no Brasil.

Reply
Gerson Godinho Moreno

Obrigado meu Irmão, tuas palavras não nos deixam envaidecidos, mas orgulhosos de pertencer ao Quadro de uma grande Oficina e a Loja Amizade reverencia seu carinho.

Reply
Gerson Godinho Moreno

Obrigado Ir. Mauro, és filho desta casa, hoje está em outro Oriente, mas aqui serás sempre bem vindo. Parabéns a ti também, aqui registrou teus feitos.

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *