Um sucesso a VII Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula do GORGS

. .

A 7ª edição da Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula, realizada neste sábado (11), no Teatro do SESC, em Porto Alegre, foi um verdadeiro sucesso. Desde a organização pelo Grupo Tradicionalista Piquete Fraternidade Gaúcha, braço cultural do Grande Oriente do Rio Grande do Sul, até o grande número de espectadores que lotaram o Teatro ou assistiram na página da rádio GORGS no Faceboook, permeado pela excelência das homenagens e apresentações artísticas, o evento, realizado a cada dois anos, ficará marcado na memória dos Maçons, cunhadas, sobrinhos e convidados. O festival, que começou apenas em âmbito maçônico, atualmente, face à sua importância para a cultura tradicionalista para o Estado, integra o calendário oficial de eventos do município de Porto Alegre.

O diretor cultural do Fraternidade Gaúcha, poeta Léo Ribeiro de Souza, dirigiu-se ao Grão-Mestre Tadeu Pedro Drago dizendo-se honrado pela confiança nele depositada na coordenação do evento, desde a 1ª edição. Numa súplica ao Grande Arquiteto do Universo rogou pelas bênçãos sobre todos os participantes e espectadores do festival poético maçônico e pela saúde do Irmão João Carlos de Ávila Paixão Cortês, modelo do “Laçador”  e maior nome do tradicionalismo gaúcho, homenageado na sexta edição.

O Grão-Mestre do GORGS e presidente da COMAB Tadeu Pedro Drago subiu ao palco e saudou o mestre-de-cerimônias da noite, poeta Maxsoel Bastos de Freitas, e todos os artistas, e convidados presentes. Lembrou a importância do trabalho do GORGS em prol da cultura sul-rio-grandense através do Piquete Fraternidade Gaúcha, grupo vinculado ao ministério da Educação, Cultura e Comunicação Social do GORGS. Informou que o Grão-Mestre Adjunto Osleno Wanderley dos Santos Heberlê, entre outras tarefas, está gestionando junto às autoridades a inserção da Tertúlia Maçônica no calendário de eventos culturais do Estado. Entrevistado pela rádio GORGS minutos antes do evento, o Grão-Mestre conclamou a sociedade gaúcha para participar de festivais como a Tertúlia e conhecer o que o Grande Oriente do Rio Grande do Sul vem fazendo pela cultura gaúcha. E convidou para o galpão do GORGS no acampamento farroupilha, a partir de 1º de setembro.

O homenageado desta edição foi Irmão Adão Ondino de Moraes Bueno, obreiro da Loja “No Caminho” nº 496, de São Leopoldo. Fundador do Grupo Os Muuripás, sapateador em rodeios e ator em filmes da temática gauchesca como Um Certo Capitão Rodrigo, além de poeta e destacado declamador, vencedor de duas edições da Tertúlia Maçônica. Continuando no palco, o Grão-Mestre Tadeu Drago realizou a entrega do troféu em homenagem a Adão Bueno.

As declamações de cinco poemas na linha maçônica começaram com Irmandade, autoria de Mario Amaral, representando Capão da Canoa, apresentado pelo autor acompanhado ao violão por Ewerton dos Anjos Ferreira. Em seguida, Fábio Malcorra declamou Quando o Verso Ganha Asas, de autoria de Carlinhos Lima, representando Santa Maria, com acompanhamento de João Bosco Ayala Rodrigues. O terceiro poema foi Para ser Maçom, de Rafael Paulo e Hermeto Silva, representando Uruguaiana, apresentado por Paulo Inda, acompanhado por Jaime Ribeiro. Na sequência, a obra A Banhadora de Sapos, Torturadora de Grilos, de Carlos Omar Villela Gomes, representando São Vicente do Sul, com amadrinhamento de Rodrigo Cavalheiro, apresentado por Suelen Mombaque Schneider. O último poema na linha maçônica foi Peregrino dos Quatro Elementos, de Moisés Silveira de Menezes, representando Passo Fundo, com o declamador Rodrigo Canani Medeiros, acompanhado por Juliano Javoski.

A linha de poemas não-maçônicos começou com Romance de Estrada e Estância, de Vitor Ribeiro e Rosa Linn, representando as cidades de Rio Grande e Passo Fundo, com acompanhamento de Jean Carlo Godoy e Charlise Bandeira e os declamadores Kelvyn Krug e Júlio Carlet. Após, o poema Destas Heranças de Campo, de João Antônio Marin Hoffmann, representando São José do Ouro, com o declamador Pablo da Rosa, acompanhado por Jorge Araújo. A terceira apresentação foi O Roubo de Santo Antônio, da poetisa Joseti Gomes, representando Gravataí, com acompanhamento de Adão Quevedo, apresentado por Silvana Giovanini. Logo depois, o poema Cartas à Saudade, de Caine Teixeira, representando Bagé, com amadrinhamento de Gustavo Campos e declamação de Jair Silveira. Finalizando a obra Os Versos que Eu Extraviei, de Marcelo Dávila, representando Santana do Livramento, com acompanhamento de Luidhi Moro Müller, declamado por Érico Rodrigo Padilha.

Após as épicas apresentações dos poemas, o Irmão Jaime Ribeiro  subiu ao palco acompanhado do Grupo Estampa da Fronteira, apresentando vasto repertório do cancioneiro gaúcho. O Grão-Mestre Tadeu Drago, o patrão do Fraternidade Gaúcha Paulo Cremer. Na sequência, o ex-patrão Luiz Niederauer entregou o troféu de Melhor Tema Maçônico ao Irmão Moisés Silveira de Menezes, pela poesia Peregrino dos Quatro Elementos. Os autores, declamadores e amadrinahdores das dez poesias classificadas e apresentadas receberam suas premiações no palco, quando pousaram para a fotografia histórica. Ao final, ficou o sentimento de satisfação e alegria pelo sucesso do evento, mas já batendo aquela saudade, ao lembrar que a próxima (e grandiosa, com certeza) apresentação ocorrerá apenas em 2020!

Fotos: Rodrigo Reus/Com. Social GORGS

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *