“Fraternidade II” volta às origens

. .

Nos primórdios da Maçonaria as sessões eram realizadas em Templos improvisados, muitas vezes nos subsolos de tavernas, construções abandonadas ou salas secretas, sempre no intuito de manter a discrição da Ordem ou fugir de perseguições. Eram tempos mais sombrios.

Mas embora esses tempos fossem difíceis, foi exatamente ali que surgiram os mais preeminentes Maçons que, nos momentos mais decisivos da humanidade, fizeram a diferença. As paredes do novo, e ainda inacabado Templo da Loja “Fraternidade II” nº 461, remete a esses tempos. É impossível não se lembrar das bases filosóficas de um Maçom ao examinar suas paredes, os tijolos à vista nos degraus do altar e as colunas tendo como base o piso ainda por receber acabamento. Quando concluído, será um Templo ainda mais belo.

A história da Oficina remonta o final do século XIX, na cidade de São Francisco de Assis, mas devido a períodos de perseguições e conflitos, principalmente a revolução de 1923, que atingiu a cidade, a Loja tombou Colunas, mas os Maçons sempre mantiveram o desejo de reerguê-las e voltar aos trabalhos. Finalmente no ano de 2006, a Loja voltou de forma definitiva, em Santiago, com participação decisiva da Loja “Estrela Santiaguense” nº 304. Mesmo assim, o desejo de voltar para cidade natal era forte e os Obreiros trabalharam muito para ver o sonho realizado: o Templo próprio na sua cidade de origem, São Francisco de Assis.

Na cerimônia de Sagração, a Comissão Consagradora foi presidida pelo Grão-Mestre Tadeu Pedro Drago e teve como 1º vigilante o Grão-Mestre Adjunto Osleno Wanderley dos santos Heberlê, 2º vigilante o delegado da 18ª Região Maçônica Mário Luiz de Carlo, Mestre-de-Cerimônias o ministro da Administração do GORGS Ivo Gilberto Fraga, orador Celso Lauri Bacelar de Souza e o Guarda Interno Paulo Cesar Garcia Rosado. Era visível o semblante de satisfação dos Irmãos da Loja “Fraternidade II” e dos visitantes de outras Lojas e Potências Maçônicas do estado.

O Grão-Mestre destacou a importância da Maçonaria na sociedade e ressaltou que a comunidade assisense ganha muito com a volta dos trabalhos através da Loja “Fraternidade II”. Parabenizou os Irmãos pela obra e conclamou a Oficina a realizar mensalmente um ágape com as cunhadas, destacando a importância da família, que, para a Maçonaria, está sempre em primeiro plano.

O orador Celso Lauri, que contou toda a trajetória da Oficina até o tão esperado momento, agradeceu a contribuição do GORGS para a conclusão do Templo. Após a cerimônia encerrar, e os oficiais da Loja tomarem seus postos, os trabalhos continuaram sob o comando do Venerável-Mestre Ciro Paz Mazuco, que em seu discurso agradeceu o trabalho da Comissão Consagradora, de todos os Irmãos envolvidos nas obras, a presença dos convidados, principalmente da Loja-mãe “Estrela Santiaguense”.

Durante o ágape, um saboroso churrasco, no salão de festas do Lyons Club, os convidados foram presenteados com a revista O Delta. A noite do dia 29 de outubro de 2017 ficará na história da cidade como o dia que a Maçonaria, através da loja “Fraternidade II”, voltou para São Francisco de Assis.

Fotos: Peter Lenhart/Com. Social GORGS