Cultura, emoção e a fraternidade gaúcha

. .

O Piquete Fraternidade Gaúcha, braço cultural nativista do Grande Oriente do Rio Grande do Sul, que tem a frente o patrão Luiz Dutra Niederaurer, apresentou projeto versando sobre a mais longa guerra civil brasileira (1835/1845), a Revolução Farroupilha. A emoção tomou conta dos que assistiram a exposição feita pelos peões e diretores culturais do Piquete, Maxsoel Bastos de Freitas e Edegar Pereira Barboza, que abordaram os “Ideais farroupilhas e Tobias da Silva, um vulto heroico da Revolução”.

Com a apresentação que tocou no sentimento de todos os presentes, especialmente da sra. Viviane  representante do Movimento Tradicionalista Gaúcho, MTG, o Piquete atendeu plenamente o compromisso com a organização do acampamento farroupilha, firmado por todas as instituições que ocupam esse espaço no Parque Harmonia.

O Irmão Edegar Barboza abordou os ideais e as causas políticas que nortearam os farrapos. Já o Irmão Maxsoel falou sobre o marinheiro Tobias Antônio dos Santos Robalo, vulto heroico pouco examinado pela história. Tobias da Silva, que nasceu em São José do Norte (presume-se, em1802), morreu peleando em 28 de fevereiro de 1836, comandando o curter (pequena embarcação de um só mastro) denominado “Minuano”. Velejava para Pelotas levando armas, correspondência de guerra e soldados. Ao romper o canal de São Gonçalo para entrar na largueza da lagoa dos Patos, foi bombardeado por dez naus imperiais. Respondeu com coragem e, já sem munição, apoiado pelos 18 combatentes de seu barco, mostrou que um farrapo não foge nem se rende. Ante a voz do comandante da canhoneira “Oceano”, Manuel de Souza Junqueira, que pedia a rendição, Tobias da Silva tocou fogo no único paiol de pólvora que lhe restava.

Em seu poema “Nas Chamas da Glória”, Maxsoel Bastos de Freitas acende o orgulho gaúcho ao dizer: “Uma réstia de luz morrente no horizonte, ainda contemplava a apoteose de Tobias! Que sepultura brava no leito das águas, num feito estoico que se canta e reverencia. Tobias da Silva!

Fotos: Ir. Luiz Niederauer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *