Um sucesso a VI edição da Tertúlia Maçônica

. .

Na noite de 13 de agosto, nas dependências do Teatro do SESC, no Centro Histórico de Porto Alegre, mais de 290 pessoas presenciaram um evento memorável: a VI Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula. Estiveram reunidas as melhores poesias, selecionadas por especialistas, sendo apresentadas por Declamadores e Amadrinhadores da mais alta qualidade. O evento, que faz parte do calendário oficial da capital gaúcha, rendeu homenagens ao Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), pelos seus 50 anos de atividades, e ao folclorista-símbolo das tradições sul-rio-grandenses, o Maçom João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes, pelo conjunto de sua obra, em seus 89 anos de vida. O Grão-Mestre Tadeu Pedro Drago esteve presente, ao lado do Grão-Mestre Adjunto, Osleno dos Santos Heberlê.

Aproximava-se o horário de início (20h) e a plateia já estava praticamente toda acomodada nas confortáveis poltronas do teatro, após terem trocado um quilo de alimento não-perecível por ingresso. O aspecto intimista do local, em formato de arena, agregado à decoração realista com motivos campeiros, ajudava a criar um ambiente de galpão, muito propício à tertúlia que estava prestes a iniciar. Antes das declamações, entretanto, a apresentadora Liliana Cardoso (primeira mulher apresentadora da Tertúlia em todas as edições) chamou ao palco os homenageados da noite. O presidente do MTG, Nairo Callegaro, que recebeu o prêmio das mãos do Grão-Mestre Adjunto Osleno Heberlê, representou as instituições que mantêm viva a cultura do Rio Grande de geração em geração. Ao Grão-Mestre Tadeu Drago coube a missão de representar todos os Maçons e reverenciar o folclorista Paixão Côrtes, maior ícone do tradicionalismo gaúcho, que foi ovacionado pelo público.

Aqui, abre-se um parêntese para um fato que merece ser destacado. Paixão Côrtes, com seus 89 anos de idade, desde que chegou ao local, por volta das 19h15min, foi cercado pelo carinho e admiração de todos. É dono de uma simpatia e de grande respeito por seus admiradores, próprio dos grandes homens. O está Maçom eternizado no Monumento ao Laçador, para o qual serviu de modelo, e que na entrada da capital gaúcha simboliza a acolhida dos gaúchos aos visitantes. E assim seguiu, por quase 1h após o final do evento, posando para fotografias e concedendo autógrafos, cativando desde “mini-prendas” de oito anos até o mais experiente dos “viventes” ali presente.

A noite de cultura e tradição poética realizada pelo Piquete Fraternidade Gaúcha, braço tradicionalista do Grande Oriente do Rio Grande do Sul, foi transmitida ao vivo pela Rádio GORGS. Os ouvintes da emissora e o público ficaram extasiados com o alto nível dos dez concorrentes nas linhas Maçônica (cinco) e Não Maçônica (cinco). A interpretação das poesias com vigor e sentimento gauchesco foi sem dúvida o ponto alto da noite. A intensidade de cada declamador através de interpretações viscerais aliada ao ambiente musical criado pelos amadrinhadores com instrumentos desde os mais tradicionais como a gaita e o violão, até o som único e melancólico do serrote, ferramenta que se transforma em instrumento nas mãos de Paulinho Pires, ficará marcada por muito tempo na memória de todos.

A noite reservou ainda o show do jovem, talentoso e já renomado artista Jader Leal, que apresentou peças de seu vasto repertório, acompanhado de uma qualificada banda. Neste ínterim, os jurados Adão Bueno, Ewerton Ferreira e Wilson Tubino puderam refletir e deliberar sobre o conjunto das obras e chegaram ao veredito final, restando premiada, na Linha Maçônica: Linha Maçônica: 1º Lugar, A Capela de Rosslyn, de Moisés Menezes; 2º Lugar, Itaú, de José Estivalet; 3º Lugar, Uma Pedra em Meu Caminho, de Luis Lopes de Souza, Melhor Tema, A Capela de Rosslyn; Melhor Amadrinhador, Henrique Arboitte Torreil de Bail e Melhor Declamador: Paulo Ricardo dos Santos; e na Linha Livre (Não Maçônica): 1º Lugar, A Morte Envolta no Lenço, de Rodrigo Bauer; 2º Lugar, As Leis de Fundo de Campo, de Paulo de F. Mendonça; 3º Lugar: Herança de Guerra, de Cândido Brasil; Melhor Amadrinhador, Raul Quiroga; Melhor Declamador, Pedro Júnior da Fontoura; Melhor Letra, As Leis de Fundo de Campo.

Ao final, após emocionados discursos dos vencedores e das homenagens aos organizadores – Grão-Mestre Tadeu Drago, Patrão do Piquete, Luiz Niederauer, e Diretor Cultural, Léo Ribeiro, todos se reuniram no palco para a fotografia oficial, esbanjando alegria e satisfação pela sucesso da noite telúrica e com a certeza de fazer história ao afirmar a Tertúlia Maçônica da Poesia Crioula como um dos maiores festivais poéticos do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *